CURUPIRA

27 02 2008

CURUPIRA

O Curupira é uma figura do folclore brasileiro. Ele é uma entidade das matas, um anão de cabelos compridos e vermelhos, cuja característica principal são os pés virados para trás.

É um mito antigo no Brasil, já citado por José de Anchieta, em 1560. Protege a floresta e os animais, espantando os caçadores que não respeitam as leis da natureza, ou seja, que não respeitam o período de procriação e amamentação dos animais e que também caçam além do necessário para a sua sobrevivência e lenhadores que fazem derrubada de árvores de forma predatória.

O Curupira solta assovios agudos para assustar e confundir caçadores e lenhadores, além de criar ilusões, até que os malfeitores se percam ou enlouqueçam, no meio da mata. Seus pés virados para trás servem para despistar os caçadores, que ao irem atrás das pegadas, vão na direção errada. Para que isso não aconteça, caçadores e lenhadores costumam suborná-lo com iguarias deixadas em lugares estratégicos. O Curupira, distraído com tais oferendas, esquece-se de suas artes e deixa de dar suas pistas falsas e chamados enganosos.

Sendo mito difundido no Brasil inteiro, suas características variam bastante. Em algumas versões das histórias, o Curupira possui pêlos e dentes verdes. Em outras versões tem enormes orelhas ou é totalmente calvo. Pode ou não portar um machado e em uma versão chega ser feito do casco de jabuti.





Mula-sem-cabeça

27 02 2008

MULA-SEM-CABEÇA

Mula-sem-cabeça é uma lenda do Folclore brasileiro.

A versão mais difundida é de que se uma mulher, virgem ou não, que tivesse coito com um padre católico, se transformaria em Mula-sem Cabeça. Outra versão é que, se um padre engravidasse uma mulher e a criança fosse do sexo feminino viraria mula-sem cabeça e se fosse menino seria um lobisomem.

A Mula-sem-cabeça sai pelos campos soltando fogo pelas ventas e relinchando, apesar de não ter cabeça. Seu encanto, segundo a lenda, somente será quebrado se alguém conseguir tirar o freio de ferro que carrega. Em seu lugar, aparecerá uma mulher arrependida.

Também há uma versão mais antiga ainda, que conta que em um certo reino, a rainha tinha a mania de ir certas noites ao cemitério, sem permitir que ninguém a acompanhasse. O rei, então, decidiu seguir sua mulher, secretamente, durante uma dessas saídas, e encontrou-a debruçada sobre uma cova, que abrira com as próprias mãos cheias de anéis,devorando o cadáver de uma criança, enterrada na véspera. O rei, então, soltou um berro horrível, e quando sua mulher viu que fora pega em flagrante, soltou um berro mais terrível ainda, se transformando assim na Mula-Sem-Cabeça.





O que são lendas?

27 02 2008

Lenda é uma narrativa fantasiosa transmitida pela tradição oral através dos tempos.

De caráter fantástico e/ou fictício, as lendas combinam fatos reais e históricos com fatos irreais que são meramente produto da imaginação aventuresca humana.

Com exemplos bem definidos em todos os países do mundo, as lendas geralmente fornecem explicações plausíveis e até certo ponto aceitáveis para coisas que não têm explicações científicas comprovadas, como acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais.

Lendas e Mitos do Folclore Brasileiro e Regional. As lendas estão divididas por Regiões da provável Origem. Também, para cada lenda existe um quadro com informações complementares sobre a mesma, tais como origem, variações e outros fatos.

Na era da oralidade a população não dava muita importância a verdade, elas aceitam as histórias contadas sem discutir se ela é veridica ou não. Como diz o dito popular “Quem conta um conto aumenta um ponto”, as lendas pelo fato de ser repassadas oralmente de geração a geração sofre alterações sobre à medida que estão sendo recontadas.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lenda





O que é Folclore?

17 02 2008

O fenômeno conhecido como FOLCLORE pode ser considerado como um patrimônio de tradições que se transmite oralmente e é defendido e conservado pelo costume. Patrimônio milenar e contemporâneo, que cresce com os sentimentos diários desde que se integrem nos hábitos grupais, domésticos ou nacionais.                     O termo Folclore foi usado pela primeira vez em uma carta publicada no jornal londrino “O Ateneu”, em 22 de agosto de 1846, para designar aquilo a que os ingleses chamavam “antiguidades populares”, “literatura popular”.Este termo foi criado pelo arqueólogo inglês Willian John Thons.          

Folclore é sim, a “ciência do saber popular”, pois os elementos folclóricos abrangem indistintamente todas as classes sociais.           O professor José Sant’anna, eminente folclorista, criador do Festival do Folclore de Olímpia, o maior do Brasil, no gênero, costumava dizer, que: “ o folclore é o carro – chefe dos demais ramos do conhecimento.”          O Festival do Folclore acontece em Olímpia, interior do estado de São Paulo, a quarenta e três anos. O evento tem por finalidade difundir manifestações folclóricas e contribuir para a preservação da cultura popular, fortalecer a consciência e a unidade nacional, estimular a atividade de grupos, e países afora. Reunindo em um só lugar, a rica diversidade de nossas expressões culturais, durante uma semana no mês de agosto. Há espaços para cursos, palestras e seminários; gincanas e oficinas de brinquedos tradicionais; exposições de peças artesanais; campeonatos de truco, de malha; seresta; culinária; feiras; etc.     

Se você se interessou pelo assunto, continue acompanhando que vem muito mais por aí.